Sobre as coisas que se alcançam sem mérito próprio

Sonho CLIII

 
Num daqueles passeios estreitíssimos do Bairro Alto, que aliás já não existem, eu decidira secar roupa debaixo de um grande guarda-sol.
 
Estendi toda a roupa cuidadosamente.
 
Cada meia com o seu par e todas as peças bem esticadas, para serem mais fáceis de passar a ferro.
 
Porém, no momento em que abri o guarda-sol, veio uma forte rajada de vento que me levou pelo ar, como se eu fosse uma versão Pop da Mary Poppins.

Um enorme guarda-sol colorido não tem nada a ver com um pequeno guarda-chuva preto.

«Larga o guarda-sol e põe os pés no chão enquanto é tempo.» - Pensava eu.

Mas não me era possível tomar essa atitude sensata.

As mãos não se soltavam.

De súbito o vento amainou e ambos, eu e o guarda-sol, descemos à terra.

Não há dúvida que se reconhece uma certa equivalência entre o absurdo de secar roupa debaixo de um guarda-sol e a possibilidade de alcançar o sucesso sem qualquer intervenção do mérito pessoal.