Sobre uma princesa decaída

Sonho CXXXVIII


Esta é a história de uma princesa caída em desgraça, que nos foi contada por um velho homem, ao sairmos da praia.

Nascera para ser rica e para viver «la vie en rose», como dizia Alfonsine du Prés, que via apenas o rosa da sua vida porque não suportava o desconforto de olhar para as outras cores da sua vida.

Vivia num grande e antigo palácio destinada a um rico casamento e ao ócio, quando o pai pelo seu comportamento desregrado deixou cair a família em desgraça.

Foi a partir desse momento que a infeliz princesa começou a carpir-se por todos os luxos e privilégios perdidos, ainda que continuasse a levar uma vida ociosa - a única que cabia na sua ideia de futuro.

A princesinha não se lembrava de agradecer os sapatos que tinha nos pés nem de nunca precisar de disputar o tempo ao sono, pela necessidade de trabalhar para comer.

Sofria de uma loucura que só à superfície era diferente da dos desgraçados que vagueiam pelas ruas em farrapos e aos gritos com os fantasmas do seu tormento.

Era o mesmo alheamento da realidade, mas, pela aparência de normalidade, já não podia suscitar piedade.

Todos os dias a velha princesinha chorava, na sua casa meticulosamente limpa e arrumada e na companhia do seu fiel papagaio.

Nunca à pobre princesa lhe ocorreu pensar que era apenas um entre muitos, muitos seres humanos, num mundo imenso e fascinante, incrivelmente desigual.