A felicidade por contraste

Sonho CXXXIX


As ravinas escarpadas da Boca do Inferno têm agora plataformas inclinadas que estão cobertas de espreguiçadeiras e onde, apesar do vento intenso e do frio gelado, os banhistas podem apanhar sol.

Afoito, decidi aventurar-me por uma destas plataformas inclinadas e foi num segundo que uma rabanada de vento mais forte me lançou pelo ar.

Raios!... Porque é que eu era feito de uma massa tão leve?

Flutuando como uma pluma no espaço que era incrivelmente amplo, tentei gritar «Socorro!...», mas nenhum som me saiu pela boca.

Enchi o peito de ar, em vão.

Gesticulava para os banhistas que me olhavam das suas espreguiçadeiras.

«Será normal haver pessoas como eu que voam com as correntes de ar?»

Apercebendo-me da minha leveza, tentava nadar com os braços nas correntes de vento de modo a cair no local mais propício à minha sobrevivência.

Se caísse muito perto das rochas o corpo seria desfeito em pedaços pela rebentação das ondas cuja espuma podia ser vista da estrada, em violentos e impressionantes jactos brancos que se erguiam a muitos metros de altura.

Se caísse muito longe da costa poderia morrer de frio e cansaço à espera que os barcos e os meios aéreos da protecção civil me descobrissem.

Maldizia-me por não ter dado ouvidos à minha sensação de insegurança e por ter acreditado que tinha o peso suficiente para andar em plataformas inclinadas e estender-me em espreguiçadeiras à beira de ravinas escarpadas, num dia de tempestade.

Será que ninguém se lembrava de pegar no telemóvel?

Sempre seria melhor morrer de frio e cansaço do que com a carne em sangue e os ossos em pedaços contra as rochas da ravina.

Como escolher entre uma dor e outra dor?

De súbito, invadiu-me um cansaço imenso.

Planava no ar como uma pluma, mas estava fora de tudo, longe de tudo.

Já não tinha qualquer ânimo para continuar a calcular os valores estatísticos da minha hipotética sobrevivência, nem forças que chegassem para ser o herói do meu próprio resgate.

Foi quando o sonho incompleto se evaporou no ar como uma voluta de fumo e acordei para a vida e para o delicioso peso do corpo na cama, isto é - para a alegria e para a felicidade por contraste.